Você está aqui: Página Principal

Tem início o curso de automaquiagem do Projeto Abrindo Portas para socioeducandas da UFI

O Projeto Abrindo Portas do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), voltado para promover uma transição mais eficaz do período de internação de adolescentes socioeducandos no retorno ao convívio familiar e social, deu início a um curso de automaquiagem para as adolescentes que cumprem medidas restritivas de liberdade na Unidade Feminina de Internação (UFI), em Cariacica. As aulas são ministradas pela diretora da Mary Kay no Espírito Santo, Sandileia Lima Ribeiro. O curso busca incentivar as socioeducandas a desenvolver uma profissão, obtendo renda para manutenção própria e muitas vezes da família.
 
Uma primeira turma de 12 socioeducandas deu início ao curso, aprendendo técnicas de limpeza de pele, hidratação, como colocar o primer facial, a base, a forma de passar e o uso do pincel, da sombra e do pó compacto. “A gente tem a preocupação de demonstrar a correta utilização dos produtos. Isso pode atrair as adolescentes para um mercado que está sempre em expansão. Quero que todas me procurem ao sair da instituição, para que possamos viabilizar essa oportunidade”, disse a diretora da empresa.
 
O objetivo do projeto Abrindo Portas é justamente minimizar e impedir a reincidência infracional de adolescentes. Para isso, um grupo de promotores e procuradores de Justiça trabalha na verificação da aplicação de políticas públicas voltadas para o atendimento desses jovens, buscando mapear a origem, o cumprimento das medidas aplicadas e o retorno ao convívio social e familiar. Da mesma forma, mapeiam as possibilidades para que esses jovens possam, ao deixar o período de internação, estabelecer novos vínculos positivos, que os façam deixar o caminho do crime.
 
“O crime seduz, o tráfico seduz. Viabilizar alternativas para essa sedução maligna é a nossa principal meta dentro do projeto Abrindo Portas. Essa possibilidade para as adolescentes da Unidade Feminina de Internação do Iases (Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo), de além de poder cuidar melhor da imagem, ingressar em um mercado de trabalho que depende basicamente delas, é um grande passo”, destacou o promotor de Justiça Rodrigo Monteiro da Silva, que participou da abertura do curso em Cariacica.
 
Desenvolvido há 3 anos, o Abrindo Portas apresenta aos adolescentes infratores informações de oportunidades e alternativas na sociedade, oferecendo-lhes livros e atividades sadias correlatas, como teatralização e redação. O projeto também visa proporcionar atividades esportivas em horários determinados, sob orientação de voluntários previamente especificados; passeios orientados; acompanhamento jurídico, por meio do serviço voluntário; além de oportunidades de estágio e bolsas de estudo em cursos profissionalizantes.
 
O MPES acredita na necessidade de garantir a humanização no tratamento geral dispensado aos adolescentes que se encontram cumprindo medidas restritivas de liberdade para que tenham oportunidades de reinserção social.  Fortalecer a base do adolescente e entender os motivos que o levaram à prática de atos infracionais fazem parte do escopo do projeto.
 
Várias parcerias foram firmadas, com os setores privado e público, incluindo um convênio com a Secretaria de Estado de Direitos Humanos para buscar a melhor integração com a comunidade, alcançada pelo projeto Ocupação Social, do Governo do Estado.