Você está aqui: Página Principal

OPERAÇÃO BOTA PRETA – NOTA 1

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), e a Polícia Civil, com o apoio da Diretoria de Inteligência Prisional (DIP) da Secretaria de Justiça (Sejus) e do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES, deflagrou hoje a operação denominada “Bota Preta”. A operação investiga, desde janeiro de 2018, um esquema de corrupção e facilitação de fuga de presos no município de São Mateus, entre outros crimes, que, em tese, configuram organização criminosa dirigida à prática de corrupção passiva, prevaricação, corrupção ativa, favorecimento real, fuga de pessoa presa (artigos 317, §1º, 319-A, 333, 349-A e 351, §1º do Código Penal) e organização criminosa (art. 2º, §1º c/c §4º, inciso II da Lei nº 12.850/2013).

Com base em investigações preliminares e interceptações telefônicas, autorizadas pelo Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) foram deferidos e estão sendo cumpridos sete mandados de buscas e apreensão, seis mandados de prisão e um de afastamento cautelar nos municípios de São Mateus, Vila Velha, Linhares e Nova Venécia, entre outras medidas.

Participam da operação seis promotores de Justiça, servidores do Ministério Público e 15 policiais militares do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES,13 policiais civis, nove agentes da DIP da Sejus e sete delegados da Polícia Civil.

O nome da operação, Bota Preta, faz referência à forma como são chamados os inspetores penitenciários, os antigos agentes, pelos presos.

Fotos da operação

Vídeo